AMP – Accelerated Mobile Pages

logo-og-image

Performance é importante!

É impossível desacoplar o universo mobile do desenvolvimento mobile nos dias de hoje. Negligenciar a plataforma mobile é o mesmo que declarar o fracasso da solução web, principalmente para produtos voltados para o público em geral.

Considerando isso, o universo mobile traz uma série de desafios para o desenvolvimento, telas pequenas, performance reduzida dos aparelhos, fragmentação dos tipos de hardware e talvez o mais importante: conexões lentas e com alta latência.

Isso faz com que a performance dos sites se torne algo mais crítico do que já era.

AMP é uma das soluções que surgem para tornar os sites mais performáticos.

image1

Redes de telefonia móvel sofrem com a lentidão

 

O que é AMP?

AMP são páginas web construídas seguindo um padrão especifico. Simplificando o processo: tais páginas têm tags HTML exclusivas que aceleram o carregamento da página. Ao desenvolver uma página em AMP forçadamente boas práticas de desenvolvimento web são seguidas, garantindo assim a tão focada velocidade

Nas palavras da Google, principal empresa por trás das AMPs:

Queremos páginas da web com conteúdo rico, como vídeo, animações e gráficos para trabalhar junto com anúncios inteligentes e para carregar instantaneamente. Nós também queremos que o mesmo código funcione em várias plataformas e dispositivos para que o conteúdo possa aparecer em todos os lugares em um instante – independentemente do tipo de telefone, tablet ou dispositivo móvel que você está usando. Google Blogimage2Páginas AMP são focadas no ambiente mobile.

 

Devo converter meu site para AMP?

Para garantir o desempenho as AMP são limitadas em diversos pontos. São ideais para páginas estáticas e com pouca interação com o usuário. Uma solução completa e complexa dificilmente será implementada inteiramente em AMP, pelo menos no ponto atual que a tecnologia se encontra.

Se o site original já existe, a conversão para AMP não é necessariamente simples, e apesar de existirem diversos “conversores” como plug-ins para WordPress, o resultado final é cheio de falhas.

Uma abordagem interessante é ter o site completo junto com uma versão AMP, que aproveitaria das vantagens do formato (como por exemplo o cache especifico feito pela Google).

Porém a questão chave da discussão aqui é performance, e AMP não é necessariamente única forma de alcançar isso. A página oficial do projeto AMP exibe diversos números de como o tempo do usuário dentro do site aumenta ao utilizar uma solução AMP entre outras estatísticas. Mas o usuário não está utilizando mais a página porque ela foi feita em AMP, ele está mais engajado pois foi entregue para ele uma solução rápida e aderente.

Por que então não projetar o site, desde sua concepção, com uma abordagem mobile first, pensando no desempenho como um fator chave para o sucesso?

Existem diversas abordagens modernas para a construção de websites que levam isso em consideração, propondo mudança de paradigmas com os Web Components aliados a ferramentas como o React e Polymer.

Mas então, devo ou não usar AMP para o meu projeto? Como quase toda pergunta no mundo da TI não existe resposta fixa, é inegável as vantagens de um projeto AMP porém é necessário colocar na balança os prós e contras envolvidos, mas uma coisa podemos dizer: o foco é entregar um site rápido e existem diversas abordagens para isso, muitas delas sem as limitações das AMPs.

Para quem quer se aprofundar mais no assunto segue algumas referências:

  • Projeto AMP: Nesta página é possível encontrar um guia para criar seu projeto, além de documentos indicando o aumento do engajamento das soluções que adotaram o AMP;
  • tunetheweb.com: Um texto de opinião, que narra a trajetória do desenvolvimento de uma prova de conceito utilizando AMP;
  • Google Blog: Postagem da Google introduzindo o tema.

Deixe um comentário